Para onde vais, assim calado,

de olhos hirtos, quieto e deitado,

as mãos imóveis de cada lado?

______________________________

Tua longa barca desliza

por não sei que onda, límpida e lisa,

sem leme, sem vela, sem brisa…

_______________________________

Passas por mim na órbita imensa

de uma secreta indiferença,

que qualquer pergunta dispensa.

______________________________

Desapareces do lado oposto

e, então, com súbito desgosto,

vejo que teu rosto é o meu rosto […]

Cecilia Meireles, Fantasma

Pedro tinha trinta e quatro anos e trabalhava como motorista de taxi. Sua vida era rotineira, sem muitas mudanças, apenas o entra e sai de passageiros, uma e outra discussão de trânsito e nada mais.

As ruas de São Paulo eram o seu ganha-pão, porém naquela noite, quando retornava da faculdade de medicina do ABC, onde tinha um ponto de taxi, ele foi abordado por um homem singular. O sujeito era possivelmente um professor universitário. Portava uma maleta social preta e vestia roupa social, terno preto e gravata borboleta azul. Ele tinha uma barba à Osama Bin Laden.

Pedro não havia ganhado muito naquele dia. Na parte da manhã teve de levar Sofia ao hospital – a pobrezinha sofria de asma e desde a morte da mãe adquiriu uma depressão muito aguda. Pedro gastava muito dinheiro com a filha.

_ Pois não meu senhor. Para onde será a corrida?

_ Eu quero ir para Monte Sião. Desculpe o meu português, eu ser americano.

_ Pois não meu senhor. Qual é o seu nome?

_ Meu nome é Smith, Adam Smith.

Pedro sabia que essa corrida lhe custaria pelo menos seis horas de viagem ida e volta, porém isso lhe salvaria o dia de trabalho fraco. Sem vacilar ele pediu para que o americano entrasse no carro e começou a pensar em Sofia. Ele a amava muito, principalmente porque ela o fazia se lembrar de Marisa, sua querida e falecida esposa .

Quem primeiro quebrou o silêncio foi o americano, que sussurrou algo parecido com isso:

_ Post mortem anima pulchra est. There the spirit is flagelum!

O homem falava consigo mesmo em tom de reza. Pedro conhecia o som de muitas línguas, embora não soubesse falar nenhuma, além do português. Ele sabia que aquele idioma não era o inglês. O sotaque era, mas as palavras não. Para quebrar o gelo, o taxista ligou o rádio e a música soou bem alto. Era uma música dos Beatles “All we need is Love”. Rapidamente ele abaixou o volume para não atrapalhar o americano, que, no entanto, reclamou em voz de lamento:

_ Turn it off, turn it off. Música do mal.     

_ O senhor não gosta dos Beatles?

O gringo não respondeu e começou a entoar uma cantiga muito parecida com um canto gregoriano: “Ecce nomem Domini Emmanuel, quode annunciatur…”

Espantado, Pedro desligou o rádio, ignorou o gringo e voltou a pensar em Sofia. Aquele malabarismo nunca parava. O pensamento ia e vinha. Sofia, Marisa, Marisa, Sofia, Sofia. Marisa…

Meia hora depois e o taxi já havia entrado na Rodovia Fernão Dias. O trânsito fluía, aliás, fora do comum. Já era o cair da tarde e o céu estava vermelho rubro, num aspecto bem singular.

Não havia veículos de nenhuma natureza, apenas o taxi. Pedro começou a tremer, não sabia se de frio ou de medo. Olhou no retrovisor e viu aquela figura que espantosamente o fitava também. Afinal o que aquele americano fazia em SP naquela hora, e por que iria a Monte Sião? Que língua estranha ele falava?

Como todo bom taxista que é capaz de passar horas com um passageiro sem trocar uma palavra, Pedro se resignava ao silêncio, no entanto este cenário esta ficando funestamente carregado. Portanto, arriscou uma pergunta:

_ O senhor é padre?

_ Não, eu ser um mago.

_ Que língua o senhor falava há pouco?

_ Língua dos anjos.

_ Parecia italiano, ou latim.

_ Latim anglicano não ser apenas latim!

A última resposta soou retumbante como um último argumento de defesa utilizado pelo réu na tentativa de revogar uma sentença injusta.

Mais uma hora de estrada e neste instante ambos ficaram mudos. A estrada continuava vazia e algo fez com que Pedro sentisse um arrepio na espinha; um choro de lamento e dor, que aparentava ser de uma criança, quebrou o silêncio e entrou pela janela entreaberta. O cenário ficara fantasmagórico. Havia uma neblina densa e o grito se espalhava pelo ar, quando Sr. Smith falou:

_ Sofia sofre muito. Está com medo.

_ O que o senhor disse?

_ Asma matar. Medo matar.

_ Do que o senhor está falando? Quem é a Sofia?

_ Sua filha está no porta-malas.

Ao ouvir essas palavras, Pedro parou o carro no acostamento e se dirigiu ao porta-malas. Fazia um frio inexplicável. Era um frio que cortava a pele e a alma. O taxista tentava abrir o porta-malas, mas não conseguia. Pensou em pedir ajuda, mas a quem? Não havia um carro sequer na estrada. Ao seu redor apenas escuridão e medo. Suava feito um porco no abate. Começou a chorar. Seu pensamento vacilava entre Sofia e Marisa. Perdeu as forças e mal conseguia andar.

Foi neste instante que Pedro sentiu um ódio indescritível do americano e pensou em matá-lo. Conseguiu abrir o porta-malas e viu que não havia nada, exceto suas ferramentas. Dirigiu-se ao banco do passageiro e gritou:

_ Quem é você, seu filho da p.?

Antes de terminar a frase o taxista teve uma surpresa que o fez saltar para trás. Não era o senhor Smith quem estava no banco do passageiro, era Marisa com seu olhos verdes e cabelos loiros e cacheados. Com aquela voz macia, que sempre o conduzia, ela disse:

_ Agora ficaremos juntos para sempre.

Em transe e sem poder respirar, Pedro correu ao capô do carro e percebeu que ele estava fechado novamente. O choro rancoroso cortou o espaço e ele tentou reabrir o porta-malas, quando sentiu em suas costas o peso de uma mão gélida. Ao virar-se, o capô abriu atrás de si e ele viu em sua frente Marisa que se preparava para beijá-lo.

Pedro estava prestes a se entregar àquela que ele pensava ser a morte, porém uma mão quente o tocou de dentro do capô e disse:

_ Papai, papai?!

Pedro acordou em um hospital. Sofia estava ao seu lado segurando sua mão e sua avó, dona Fátima conversava com um policial e um senhor de cabelo grisalho, que tinha um sotaque inglês. A testemunha relatava o que acontecera:

_ Então senhores, ele desviou do mendigo e bateu no poste…

O taxista não podia falar, mas compreendia o que os outros diziam ao redor. Ele olhava para Sofia e chorava. Foi então que percebeu que no quarto havia mais uma pessoa e ao redor do sujeito três figuras: um padre e duas senhoras. O homem acamado era um senhor com barbas longas e aspecto taciturno.

O padre balbuciava alguma reza em latim e as mulheres choravam sem parar. Era sem dúvida uma cena muito funesta. Por fim outro médico entrou, dirigiu-se ao paciente acamado, examinou o moribundo, anotou alguma coisa em uma prancheta e pediu para que todos saíssem do quarto por um instante, exceto o padre e as duas senhoras. Então em voz de lamento o doutor informou ao séquito:

_ Infelizmente ele não resistiu. Já podemos avisar a família.

Uma das senhoras chorava muito enquanto a outra, mais controlada disse ao médico:

_ Doutor, ele vai ser enterrado em Monte Sião.

_ Senhora, a remoção do corpo e todo o processo funerário a senhora deve averiguar naquele guichê à direita. Em caso de dúvidas procurem nossa assistente social no primeiro andar.

Um comentário em “Experiência Post Mortem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s