Um mais um é igual a tudo.

O que seria da minha vida sem você?

O faroleiro sem companhia,

Ou o ébrio jogado na sarjeta?

O fato é que a vida não seria

Mais do que um universo sem planeta.

Qual seria o rumo a tomar sem você?

Não seria apenas uma cisterna vazia,

Um oásis feito de miragem,

Cuja opaca e languida apatia

Sobreporia a paisagem de tal imagem?

A que conclusão chego em tal querela?

Sou o que tu vês

Porque tu és em mim

E o derradeiro fim

Sou eu em você.

…..

Luciano Marques

Raymond Carver, a minimalist.

For those who are passionate by a minimalist written style, Raymond Carver is a great option for your next reading choice. Mr. Carver’s tales go further the daily immediate problems we deal with, once he brings more intimate manias, self expectations and mediocrity. These three themes are spread in his tales.

A good example of that is his tale “Neighbors” (spoilers ahead), in which the narrator presents a couple, Bill and Arlene Miller, who show strange behavior when they start looking after their neighbors’ house while they are on a trip. Bill begins visiting the neighbor’s house often, and puts on his wife neighbor’s bras and painties. Apart from that strange mania, Bill becomes more eager to have sex with Arlene.

Another example is the tale “They are not your husband” in which an unemployed salesperson named Earl Ober goes to her wife’s workplace, a coffee shop, and orders some snack. While she is waiting on the guests, Earl listens to two men’s commentaries on her wife:

“Look at the ass on that. I don’t believe it” The other man laughed. “I’ve seen better”

Raymon Carver in “Will you please be quiet, please?”

Earl becomes paranoid about Doreen’s (his wife) weight and decides to ask her to go on a diet. Doreen makes a great effort to lose pounds while Earls starts controlling her habits and public life.

By unveiling the real American dream, Mr. Carver excavates deeply in the soul of the common American and shows the reader some aspects of the raw reality of the post Great Depression. His direct and economic style turns the narrative more suggestive than exposed, which makes his tales more vivid and riddled. The reader ends up fulling the holes more by the suggestive scenes than the explicit text.

A good example of that is the tale “The Idea”, from which we may infer, by her inner thought, that the narrator has a repressed wish to cheat on her husband, while showing us the contrary through her hypocritical actions.

To make a long story short, it is worth reading Raymond Carver in order to find out the dark side of the moon on humans.

Luciano Aparecido Marques

Aos católicos

Da trilha que o orante percorre
Jesus há de ser o centro,
O destino final e concreto

O conforto no caminho é Maria
O contato direto é o terço
Em cuja oração imersos

Os sábios já sabem
Que para tal dádiva não há preço
E mesmo que se quisesse o inverso

E com ouro lhe enchessem o alforje
Ainda assim tal adereço
É nada comparado ao Eterno.

Luciano Aparecido Marque

Luto

Ela remói dolorida aqui dentro,

Remexe gosmenta em todos os cantos.

Foge enquanto eu a busco atento,

Com meus neurônios pulsando nos flancos.

Fica cravada feito vã maldade

Sem remédio de nenhuma parte.

Ferpa encrustada no fundo da carne.

Seu nome qual é!!? Chamam-na saudade!

Onde está afinal aquela estrela

Que costumava brilhar no céu negro,

E de manhã tão quente como sol

Abria a porta do sorriso

E com olhos brilhantes feito farol

Dizia: “Nossa, que dia lindo”?

É, meu caro, o que fazer nesta hora?

Resta apresentar ao criador,

Do poente a aurora, a própria dor

Que como bálsamo cicatrizante,

Fará um dia a dor ficar menos pulsante.

Luciano Aparecido Marques

A paz de Cristo

Nunca se esqueças que na escuridão

Deus ali estará!

E a fenda aberta pelo medo,

O Espírito Santo curará.

No abandono do desespero e da dor

Quando tudo parecer perdido,

Tens as mãos estendidas do Criador

Com seu punho destro estendido.

E quando não souberes como agir,

O que fazer de sua sacra vida,

Os santos lhe serão modelo, dos quais o maior

É a Santa Virgem Maria.

Por fim, no meio do negrume maléfico da dor

Procure pelo Salvador.

Siga ao fim do tunel até a luz.

Ali o encontrarás! Lá, no silêncio da oração,

O cordeiro de Deus, Jesus.

Luciano Aparecido Marques

Diabetes controlada.

Foto por Valeria Boltneva em Pexels.com

Crônicas de um diabético

Caríssimos, leitores, nesse terceiro artigo que me proponho a escrever sobre o diabetes eu quero focar no sabor do alimento que destrói a saúde de um diabético. Comecemos por analisar um assunto simples, mas que passa despercebido pela grande maioria dos brasileiros, a nossa dieta.

Pois bem, há uma certa sensação de universalidade nos alimentos que comemos, como se o planeta inteiro consumisse o clássico arroz com feijão, a porção de salada e uma porção de proteína. Não sou médico, mas sempre me falaram que esse modelo de alimentação é o correto. Bem, pode até ser o ideal para uma pessoa que não tem a genética comprometida pelo diabetes.

A alimentação é parte da cultura e, portanto, possui raízes histórico-sociais. Vejamos um pouco das três principais etnias que compuseram o nosso país em sua origem: portugueses, africanos e índios nativos. Cada uma dessas etnias possuíam suas próprias dietas baseadas na cultura e na matéria prima que sua própria terra produziam. Dessa miscigenação nasceu o nosso padrão alimentício. Se pensarmos um pouco além veremos que o padrão alimentício de cada região não foi estabelecido pensando em cada indivíduo, mas no grupo social, de modo que ignora-se as doenças que cada indivíduo pode ter. Sem contar aquelas que não tem nem ao menos o que comer, o que é muito pior.

“Há uma certa sensação de universalidade nos alimentos que comemos, como se o planeta inteiro consumisse o clássico arroz com feijão, a porção de salada e uma porção de proteína”

Passemos agora, meus caros, a analisar o sabor de nossa dieta padrão. O brasileiro, em geral, aprende desde cedo a consumir o sabor doce ou agridoce. O vovô dá ao netinho a balinha doce e inocente que, combinada ao sabor despreocupado da infância, gera prazer em forma de serotonina. A mesa posta no almoço é repleta de carboidrato e açúcar, mais serotonina. Prazer, prazer e mais prazer. E o melhor de tudo, não há esforço, basta comer e o carboidrato faz a sua função de gerar mais e mais prazer em forma de glicose. O problema é que uma hora a conta chega e pela primeira vez, para alguns, passamos a conhecer um órgão que até então só ouvimos falar na aula de biologia da professora Gertrudes: muito prazer, eu sou o pâncreas.

Em seguida, o médico – aquele mesmo que lhe disse que na pirâmide da alimentação saudável, a base era o trigo e as massas, ou seja, carboidrato que lhe manteria de pé e saudável – agora lhe proíbe de consumir o sabor de uma vida inteira, glicose em forma de carboidrato.

O problema é que agora a luta não é apenas em trocar a dieta, mas em abandonar os prazeres da infância e a serotonina gratuita que advinham com ele. Mas, muita calma nessa hora. Há uma solução que é simples até, mas que requer um trabalho importante: mudar o sabor de nosso paladar e produzir serotonina por outros meios que não a alimentação.

Foto por Trinity Kubassek em Pexels.com

Bem, de forma clara e direta, falemos sobre a dieta do mediterrâneo que se baseia em peixes, hortaliças e frutas cítricas, tudo o que um diabético precisa, uma dieta “low carb”. A palavra “low” em inglês significa “baixo”, portanto, dieta “low carb” é uma dieta baixa em carboidrato. Ao obter essa dieta é importante ter em mente que devemos inserir gorduras saudáveis à nossa alimentação para compensar o baixo consumo de carboidrato.

Outra importante mudança que devemos fazer na nossa rotina diária é o abandono da vida sedentária e a inclusão de atividades físicas, ações que geram muita serotonina no nosso organismo. Portanto, de sobra passamos a ser mais felizes.

Por fim, meus queridos, o verdadeiro desafio é mudar o nosso paladar e acrescentar exercícios para controlar o diabetes tipo 2. Os nuances dessa prática eu deixo aos especialistas, médicos que tem propriedade para nos ajudar, mas lembrem-se, é preciso procurar profissionais atualizados e comprometidos com a ciência, de preferência nutrólogos atualizados.

Luciano Aparecido Marques

Eclosão

A noite é sempre de fim de ano.

Ele vem assim sereno, andando…

Quietinho como quem não quer nada

Achega-se e faz morada.

Seu nome é tempo.

Tão imperceptível no momento!

Não o reconhecemos quando em criança

Pois que o temos em abundância.

E nesse baile a vida passa imensa

Feliz e sorrateira,

Sem dar conta de sua presença.

Mas um dia, a música fica lenta

E a boa idade vem chegando,

Trazendo consigo sua beleza.

Agora sua presença é inexorável,

Sua voz brada nas esquinas.

Sua comanda, à medida dos abusos, infindável

E o troco vem de sobra na fraqueza

Dos anos vividos como se fossem eternos.

O que nos resta?

Culpar o tempo?

Ladrão! Algoz! Injusto!

Não, meu bom amigo…

Resta-nos abraçar-lhe no salão

E com dignidade dançar

A nova trilha sonora que a vida nos dá.

Luciano Aparecido Marques

Crônicas de um diabético.

Lidando com o emocional.

Galera, lembrem-de de que no último post eu disse que para nós, diabéticos tipo 2, a primeira coisa a se fazer é assumir que estamos diabéticos e não somos diabéticos e que é importante entender que o diabetes tipo 2 é uma doença oriunda de causas diversas, porém, a maior delas é a causa nutricional? Pois bem, hoje falaremos um pouco sobre o fator emocional diante do alimento e como lidar com ele de maneira positiva.

Estar diabético em uma sociedade pró diabetes é uma causa quase perdida, digo quase perdida pois há uma forma de vencê-la, e essa forma se chama informação. Vejamos o caso muito comum; vamos à uma festa de aniversário e nos deparamos com uma infinidade de alimentos apetitosos e que nos causam muito prazer. Alimentos repletos de açúcar que aumentam a nossa serotonina e nos trazem uma sensação deliciosa de alegria, porém, a cartilha que o nosso médico pede que sigamos nos reprime a consumir essas delícias. Portanto, ao invés de ficarmos felizes na festa, ficamos deprimidos. Achamos que a natureza foi injusta conosco, uma vez que outras pessoas não se prejudicam com essas delícias, apenas nós. Esse pensamento já começa errado. Vejamos o porquê.

Os alimentos farináceos e industrializados são repletos de glicose ou frutose disfarçados de delícias inofensivas, mas que podem te levar ao hospital com uma crise de hiperglicemia e, pasmem, esses produtos alimentícios não causam danos apenas aos diabéticos, mas à toda a população. Entendam que não estou endemonisando o alimento em prol de uma causa anti-diabética, mas, contra os fatos fica difícil argumentar.

Desde crianças a sociedade que chamarei de “glicoseocêntrica” nos ensina que o açúcar está associado à alegria e à felicidade. Em partes, essa premissa é verdadeira, uma vez que o açúcar libera alguns hormônios no corpo que geram a sensação de felicidade. Porém, uma hora a conta chega em forma de  carnês chamados: diabetes, esteatose hepática, resistência insulínica, dentre outros. A questão agora é o que devemos fazer para lidar com essa falta de doce “felicidade”? Como nos comportar em uma festa na qual há uma infinidade de alimentos dos quais podemos consumir muito pouco?

Vivemos em uma sociedade “glicoseocêntrica”.

Falarei um pouco da minha experiência. Para mim, o aspecto mais difícil nessas situações de festa é passar vontade de comer os alimentos que fui condicionado a consumir desde minha tenra infância. É muito difícil receber um diagnóstico que lhe inibe consumir os quitutes mais deliciosos e comuns do dia-a-dia. Outra questão que me chateava no início de meu tratamento era recusar o consumo desses alimentos o tempo todo e ser visto como o chato e frescurento da história. Essas questões abalam o lado emocional e produzem um outro problema chamado estresse.

O estresse possui um efeito catalisador que potencializa qualquer doença no organismo, de modo que se não cuidamos do nosso estresse somos sempre uma bomba relógio prestes a explodir. Mas afinal, como é possível lidar com essa situação emocional que acomete os diabéticos diante do carboidrato? Não há apenas uma resposta, mas ensinarei algumas técnicas que podem ajudar. Eu as separarei em duas etapas: como lidar com os gatilhos emocionais e como resolver o problema na prática.

Lidando com os gatilhos emocionais.

Para lidar com os gatilhos emocionais que são acionados quando somos apresentados às delícias que não devemos consumir sem correr o risco de hiperglicemia, é necessário saber as consequências que esse consumo pode gerar. Para isso temos a informação ao nosso alcance. Uma das complicações do diabetes são os problemas vasculares sobre os quais todos deveríamos saber. Pois bem, uma vez compreendidos os problemas que podemos vir a ter através do diabetes, é fácil se convencer que não queremos esse tipo de complicação. Portanto, o primeiro passo para lidar com as emoções é saber as consequências que o consumo de carboidrato refinado pode trazer à nossa vida.

Agora, convencidos das complicações que a má alimentação pode trazer à nossa vida, passemos à etapa 2 do processo. Nessa etapa, eu costumo utilizar algumas técnicas de programação neurolinguística que funcionam muito bem. Para a PNL, nós possuímos uma estrutura mental construída a partir da linguagem. Essa estrutura constitui uma espécie de “mapa ” através do qual interpretamos a realidade, a qual podemos denominar “território”. Uma das premissas fundamentais da programação neurolinguística é a fórmula: o mapa não é o território.

Na prática podemos afirmar que a grande maioria da população utiliza o mesmo mapa em territórios diferentes, isso significa dizer que para nós, que estamos diabéticos, é necessário atualizar aquele mapa da infância, para a qual o açúcar era a felicidade, diante de um outro território chamado realidade, para a qual a saúde plena é a felicidade.

Partamos para a última etapa, que é  a prática diante da situação. Uma vez atentos ao fato de que o mapa não é o território e de que a felicidade está muito acima do consumo de carboidrato refinado e frutose, é necessário dizer “não” aos possíveis efeitos colaterais da falsa felicidade e abrir-se à nova vida. Como colher esses efeitos?

Resolvendo o problema na prática.

Eu não poderia chegar ao fim desse texto sem falar sobre o outro lado da moeda, ou seja, os prazeres que um diabético tipo 2 pode ter.

O primeiro prazer é o consumo de qualquer alimento que pode ser feito a partir de receitas próprias para diabéticos. É possível aprender essas receitas com especialistas da área na própria Internet, portanto, mãos à obra.

O segundo prazer é a prática de exercícios físicos. Sabe aqueles hormônios que o consumo de doce libera no organismo? A prática de exercícios físicos também o fazem, mas sem efeitos colaterais. Vamos levantar e praticar?

Por fim, não esqueça que a pessoa mais importante do universo é você mesmo. Portanto,  cuide de si mesmo para que você possa cuidar daqueles que você ama. Trate-se com amor para que possa tratar os outros com esse mesmo amor. E lembre-se, quando lhe oferecerem algo que você não pode consumir,  recuse educadamente e não tenha vergonha de dizer que está diabético e não pode consumir esse alimento. Não fique triste, pois afinal, sempre existe uma receita deliciosa que você poderá preparar em casa e substituir por aquela que lhe faz mal.

Luciano Aparecido Marques

Férias de professor

Professor é pessoa estranha!

Passa o ano inteiro a doar

O tempo de sua vida insana

Para os outros educar.

O tempo vai passando no relógio

E ele, educador está aos arredores

Como uma espécie de oratório

A quem recorrem os pecadores.

Pronto a enriquecer

A cultura dos pupilos

Doando-se com esmero.

Mas na hora de suas férias,

O que mais ele precisa

É de ficar só

Cuidando de si mesmo.

Luciano Aparecido Marques