Eclosão

A noite é sempre de fim de ano.

Ele vem assim sereno, andando…

Quietinho como quem não quer nada

Achega-se e faz morada.

Seu nome é tempo.

Tão imperceptível no momento!

Não o reconhecemos quando em criança

Pois que o temos em abundância.

E nesse baile a vida passa imensa

Feliz e sorrateira,

Sem dar conta de sua presença.

Mas um dia, a música fica lenta

E a boa idade vem chegando,

Trazendo consigo sua beleza.

Agora sua presença é inexorável,

Sua voz brada nas esquinas.

Sua comanda, à medida dos abusos, infindável

E o troco vem de sobra na fraqueza

Dos anos vividos como se fossem eternos.

O que nos resta?

Culpar o tempo?

Ladrão! Algoz! Injusto!

Não, meu bom amigo…

Resta-nos abraçar-lhe no salão

E com dignidade dançar

A nova trilha sonora que a vida nos dá.

Luciano Aparecido Marques