A última lembrança da partida

Aprendas a conviver consigo mesmo

É a melhor coisa que podes fazer!

Não é um ato egoísta

Mas um treino altruísta

Para o próprio bem do ser

Pois no fim dos tempos,

Quando atingires a quintescência

E o céu engolir o momento

Estarás tu e tua consciência

E a última lembrança que carregares no fundo do peito

Será para ti consolo ou desprezo.

Luciano Aparecido Marques

Luto

Ela remói dolorida aqui dentro,

Remexe gosmenta em todos os cantos.

Foge enquanto eu a busco atento,

Com meus neurônios pulsando nos flancos.

Fica cravada feito vã maldade

Sem remédio de nenhuma parte.

Ferpa encrustada no fundo da carne.

Seu nome qual é!!? Chamam-na saudade!

Onde está afinal aquela estrela

Que costumava brilhar no céu negro,

E de manhã tão quente como sol

Abria a porta do sorriso

E com olhos brilhantes feito farol

Dizia: “Nossa, que dia lindo”?

É, meu caro, o que fazer nesta hora?

Resta apresentar ao criador,

Do poente a aurora, a própria dor

Que como bálsamo cicatrizante,

Fará um dia a dor ficar menos pulsante.

Luciano Aparecido Marques

Despedida

Um adeus é tão grande

Que não cabe no tempo…

A forma se vai,

Mas a fagulha da essência

Fica aqui por perto…

Corrói a lembrança

Mas também faz sorrir…

Fica dentro da alma

Até a hora de partir…

Quando então ao encontro terno

De um abraço infinito

No regaço do Eterno

Onde tudo é mais bonito

A despedida deixará de existir.

…………………………………………………………….

Luciano Aparecido Marques