Em uma biblioteca medieval – um cristão e um budista

Foto por Rodolfo Clix em Pexels.com

Sentado no centro da ante sala

Que dava de frente ao corredor Norte

Em posição de lótus ele estava

Altivo, com semblante puro e nobre

Aproximou-se o frade cristão

Sob o fluxo do silêncio sagrado

E o monge despertando então

Recebeu o amigo de bom grado

_ Vês o imenso número de livros?

Quase todo o conhecimento humano

Escritos nessas tábuas e papiros

Tudo pura vaidade e engano

Perceba esse silêncio que emana

Aqui é onde eu busco o meu refúgio

Dessa calma virá o meu nirvana

Conte-me pois, seu segredo profundo.

Foto por Jonathan Borba em Pexels.com

_ O que dizer a ti de antemão?

Nem tudo o que sou está na mente

Não posso perscrutar o coração

Também não compreendo o que ele sente

Mas sinto algo valioso e bom

Há lugares a que não tenho acesso

Um jardim onde a rosa de Sarom

Brotou desde o princípio do universo

Deus Pai, Filho e Espírito Santo

Cuidam do jardim em uma Pessoa

De lá Nossa Senhora entoa um canto

Que na alma do orante ressoa

Como se não bastasse tal beleza,

Jesus, que sofreu tanto no calvário

Lá exerce poder e realeza

Que sentimos na conta do Rosário.

Luciano Aparecido Marques